Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2011

Das coisas que senti por lá...

Era quase tudo verde ao meu redor, a natureza na sua forma mais singela era só o que meus olhos alcançavam. Ora tinha de presente o assédio do sol, ora a chuva e seu doce som me faziam redesenhar meus pensamentos infantis. Aqueles risos inebriantes, aquela terra conhecida. Comida que  fartava, bebida que não bastava, o aconchego da família. Raízes, orgulho, fortes laços. Cheiros, paisagens, rostos, gostos, caminhos. Brisa que passeava onde tudo se fazia poesia. Mil histórias, as repetidas e as novas...gente que se foi mas nunca deixará de ser. Era de lá que eu sorria, e não eram sorrisos com sombras, nem com dúvidas. Era lá que estavam meu corpo e minha alma, juntos de verdade, não a alma daquela que faz perguntas sobre a vida e fica sem respostas, mas da menina que ainda carregava a leveza das coisas simples, dos entendimentos que satisfaziam...
(Lá as velhas emoções extremas tiraram férias e vi que é possível descansar o coração...nem que seja por uns dias...)

Travessuras

Hoje cedo pintei o céu de laranja, não queria que tons acinzentados fizessem parte do meu dia. Às nuvens dei a cor verde e ao cair uma breve chuva fina, a minha roupa branca foi tingida com respingos de alegria.
Ousei transformar girassóis em lindas flores lilás e com duas delas enfeitei o cabelo. O sol, que estava escondido e tímido, ganhou uma boca e um sorriso, e passou a brilhar com raios rosados. Pincelei de azul o chão e por onde eu passava pegadas desenhavam imagens que faziam lembrar um sonho bom. As árvores, cansadas de suas cores frias, agora eram pura vaidade coloridas de amarelo e bordô. A areia da praia não poderia ter outra tonalidade, foi de cereja que eu pintei! E ao observar o mar que eu não quis mudar de cor, guardei um punhadinho de areia numa caixinha só pra te mostrar como sou travessa quando não estais...

Avaliar para prosseguir...

Eu nasci questionadora, sempre tive sede de entender tudo à minha volta, o comportamento e a mente humana, as construções sociais ao longo do tempo, a história do mundo, etc. E a maior vítima da minha mente inquieta sou eu mesma, mas confesso, nunca questionei tanto a minha vida! Não, não é um questionamento contemplativo, que gera frases, textos, que divaga sobre tudo e apenas isso...o que tem me incomodado é algo substancial, concreto, porque está nas minhas atitudes, no sono que não vem, nas incertezas lancinantes que fazem pensar a todo momento se estou no lugar certo, fazendo a coisa certa... É um questionamento que dói, que passa do pensamento para o coração, que pulsa, que causa angústia, que paralisa (para talvez impulsionar). Alguém certa vez me disse que isso é amadurecer, crescer. E embora eu sempre tenha me visto como uma pessoa madura (falo isso sem pudores ou falsa modéstia), tenho concordado que tudo isso seja mesmo a ação do tempo e das experiências na minha vida, porque…