Pular para o conteúdo principal

Avaliar para prosseguir...



Eu nasci questionadora, sempre tive sede de entender tudo à minha volta, o comportamento e a mente humana, as construções sociais ao longo do tempo, a história do mundo, etc. E a maior vítima da minha mente inquieta sou eu mesma, mas confesso, nunca questionei tanto a minha vida! Não, não é um questionamento contemplativo, que gera frases, textos, que divaga sobre tudo e apenas isso...o que tem me incomodado é algo substancial, concreto, porque está nas minhas atitudes, no sono que não vem, nas incertezas lancinantes que fazem pensar a todo momento se estou no lugar certo, fazendo a coisa certa...
É um questionamento que dói, que passa do pensamento para o coração, que pulsa, que causa angústia, que paralisa (para talvez impulsionar).
Alguém certa vez me disse que isso é amadurecer, crescer. E embora eu sempre tenha me visto como uma pessoa madura (falo isso sem pudores ou falsa modéstia), tenho concordado que tudo isso seja mesmo a ação do tempo e das experiências na minha vida, porque uma coisa é certa, amadurecimento de fato, real, só o tempo é capaz de propiciar. Eu fui uma adolescente com uma boa cabeça,  o que é diferente. Ter uma cabeça legal e aberta desde cedo pode acelerar ou ajudar no crescimento, mas sem o tempo e as experiências tudo é apenas teoria, hoje eu sei.
Volto ao que tem me atormentado de maneira pungente. É como se só agora eu tivesse a consciência exata de que o tempo está passando e ele não volta. Tá, é a coisa mais óbvia do mundo, todo mundo sabe disso, fala isso, escreve isso, canta isso. Mas quantas dessas pessoas realmente SENTEM essa verdade absoluta sobre o tempo agir sobre suas vidas e nortear suas ações? Sentir ao ponto de se desesperar pensando "o que fiz e estou fazendo da minha vida?" Quantas têm a certeza de que algumas coisas podem até ser mudadas, mas outras ficarão como um carimbo nas lembranças e podem causar danos perenes?
E a essa altura, em meio a este balanço de uma vida ainda curta, há espaço pra tudo, inclusive para admitir que algumas coisas não realizadas causaram sim frustrações (antes eu jamais admitiria), assim como as realizações que fugiram muito do que  um dia pensei e desejei trouxeram consigo resquícios de algo que só tem um nome: frustração, não há outra palavra pra substituir.
Continuando a avaliar com seriedade (e sob a ótica do tempo) a idéia de que a vida com sua trajetória reta e irrevogável, não me dará o direito de refazer tudo, de errar tanto ou de voltar para "consertar", congelo-me diante da questão: "Estou fazendo o que quero?". Dia desses ouvi numa série de TV interessantíssima o seguinte: "A grande questão humana não é 'quem somos' mas 'o que desejamos' e os nossos conflitos giram em torno desses desejos que nos conduzem o tempo todo,  mesmo assim inúmeras pessoas fazem o que não gostariam de fazer, vivem como não gostariam de viver." Perfeito! Nada mais genuíno, mesmo que não tenhamos esta  consciência, esse é o retrato da condição humana.
Então olhei pra trás, sempre olho...e embora tenha sido privilegiada e realizada em vários setores da vida, quero cuidar do HOJE! Definitivamente não quero viver de lembranças só porque tenho glórias de um passado maravilhoso pra contar (onde obviamente também tem dores e mágoas), pois só o que tem o poder efetivo de me fazer feliz é o que sou, possuo e vivo AGORA!

Comentários

  1. É isso aí meu anjo e que 2011 seja repleto de boas realizações.
    Bjs e ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
  2. Você já disse tudo. Só o tempo, só a vivência nos dará crescimento. Você só vai conhecer a estrada perfazendo-a. Concordo com você, viver o HOJE.Ontem já foi, o amanhã é semeado hoje, portando seja você a todo o tempo. Um lindo texto, hein?Mas anda sumida. Beijos

    ResponderExcluir
  3. Amiga lindas letras.,,, so posso falar CARPE DIEM...

    saludos
    abracos
    otima semana

    ResponderExcluir
  4. Uma ótima reflexão.
    E digo que não importa de fato onde se esteja, mas sim o que se faz e pode fazer estando onde se esta!

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. .

    Não sou como as flores com a sua
    efêmera beleza e perfume de seis
    dias. Não, eu não sou como a lua
    que de quarto em quarto pula, para
    saciar de todos, os seus desejos.
    Não sou. Não, eu não sou porque
    não quero. Eu não quero porque
    mesmo que quisesse, eu não teria
    forças, jeito e beleza para atender
    a tudo o que eu não quero, por
    querer sem direitos ter.

    silvioafonso



    .

    ResponderExcluir
  6. Assim é, vivemos perseguindo o que desejamos, e tantas vezes apenas vivemos ao lado, como vizinhos de nós mesmos... não podia concordar mais contigo.

    Saudades de tuas visitas! :)
    Aparece no meu novo espaço

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Uau! Parabéns pelo texto e desabafo, está sensacional e o pior é que a idade e o tempo avançam e pra quem é questiondadora assim (tb sou), nada muda, pelo ao contrário, o diferencial é somente a intensidade, mas ela faz parte da gente, e o lado positivo disso é que ser assim só faz a gente buscar cada vez mais, principalmente a nossa própria felicidade e paz de espírito! ;)
    Beijo, beijo!
    She

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Se ao me ler, um impulso te trouxer algo à mente ou ao coração, escreva...

Postagens mais visitadas deste blog

Para renascer é preciso morrer!

É exatamente assim, no começo parece que te falta o ar, que algo espreme teu peito sem cessar e derrama o sumo dessa compressão nos teus olhos, compulsivamente.
Os primeiros dias passam e nada colore tua existência, só habita em ti a neblina das lembranças cinzentas, daquilo que ainda te fere...e estão em tudo que tu tentas fazer, repetindo-se como um velho vinil riscado, fazendo ondas gigantes em tua mente...das mentiras que te foram contadas, das verdades omitidas, das peças que se encaixam, da dissimulação ardil, das atitudes tão ínfimas quanto rasteiras e do presente se encontrando com as mesmas dores do passado.
É a desconstrução do que tu acreditavas, ou achava que ainda cria. É o fim da tua luta, que por mais que parecesse perdida, havia dias em que alguns sinais diziam que a guerra valeria a pena. Mas não valeu! Lutar pelo quê agora? E o mundo parece partir ao meio, mas tu não estais nem de um lado e nem do outro. Estais sem segurança, sem direção, neste abismo que se abriu a …

Nem tudo vale a pena...

Vida que segue, histórias que findam... para que outras comecem.
Erros e caminhos que não podem ser refeitos.
Lamentar já não serve, porque o que passou nos escapou e o que fica de concreto são somente as lições, marcadas a ferro e fogo, nada poderá tirá-las de nós... pessoas e situações se vão, mas as aprendizagens ficam... e que bom que é assim!
Todos temos na vida momentos ou fases que desejaríamos não ter vivido, ou não mais lembrar, mas são exatamente estes que ficam se repetindo em nossas mentes a ponto de dizer-nos ao pé do ouvido: logo tu, tão seguro (a), esperto (a) e cheio (a) de si, viveste isto?
É, a racionalidade nem sempre nos é companheira e por vezes abandona até o mais perspicaz dos mortais. Importante mesmo é que ela não se vá para sempre e que o amor próprio continue reinando absoluto sobre todas as paixões terrenas.
Havia dentro de mim uma convicção imensa de que esse meu jeito de viver impulsivamente, respeitando todos os desejos e fazendo sempre o que o coração …

Oclusão

Não sei como ainda pode existir algo de ti no meu peito, depois dos inúmeros pedaços que já arranquei...embora os tenha removido pouco a pouco, como aquele procedimento bizarro para curar queimaduras extremas (as necroses são retiradas da pele, para que a regeneração ocorra de dentro pra fora).E cada parte que eu tirava à força, era uma tentativa de viver de novo, mesmo me sentindo morta.

Durante todo este tempo, esses pequenos recomeços exigiram de mim muito esforço, porque estavam inclusos em um contexto de uma aparente harmonia. E mesmo com todo meu empenho em virar de vez esta página, você estava ali, mais presente do que eu conseguia admitir até pra mim mesma. Oscilação pura...é que de fato não é tão simples esquecer alguém que te faz interagir com um lado seu, até então, totalmente desconhecido. Provei da fração mais amarga que me constitui, aquela cuja autossuficiência e autocontrole, características que sempre me acompanharam e fizeram de mim a pessoa mais confiante do mundo, f…