Pular para o conteúdo principal

Como eu queria...


Hoje queria me sentar num cantinho, sem nada que pudesse me distrair...pra eu poder olhar só pra dentro, e ir fundo, bem fundo. Assumir, admitir, reconhecer e aceitar tudo que ignoro ao meu respeito. Queria falar comigo como nunca falei. Queria chorar tudo isso que as vezes me engasga, o que eu sei, o que eu não sei...e ser frágil como eu nunca quis ser, porque querer ser forte sempre é a maior prova de covardia.
Queria entender, explicar, descomplicar as coisas, porque "ficar bem" é simples, nós que insistimos nessa idéia perene de felicidade e saímos elaborando regras, caminhos, meios para tentar SER feliz pra sempre. Só que o "pra sempre" nunca chega e então desperdiçamos todo o resto...
Queria que meu orgulho tivesse limites e que ilimitada mesmo fosse a minha capacidade de perdoar.
Queria ver as coisas com menos clareza, menos certeza, aliás queria estar convicta de pouquíssimas coisas,
certezas são irritantes e quase sempre atrapalham tudo.
Queria não ter marcas, ser mais leve, menos armada.
Queria desdizer tantas coisas...dizer outras.
Queria sonhar como criança.
Na verdade eu queria mesmo era perder a consciência, a memória ou o juízo...porque agora em vez de querer tantas coisas quase impossíveis eu estaria simplesmente correndo pro teu abraço e sentindo de novo o teu beijo...

Comentários

  1. Como queira, guria! Tudo que desejares em teus sonhos é perfeitamente possível, basta acreditar. E eu acredito em ti.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Minha Linda, quanto menos regras para nós mesmas, mais chances temos de ser felizes, basta que seja uma felicidade recíproca se for a dois... ;) O importante é que o vento que venta aqui também vente ali... O fundamental e estarmos felizes com a gente mesmo, o resto? O resto vem na hora que tiver que vir, sem pressa, sem ansiedade e com surpresas...
    Beijo, beijoooooo!
    She

    ResponderExcluir
  3. ...e me perder em seus braços seria como me perder em mim mesma!

    lindas palavras, bjus da kirah^^

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Se ao me ler, um impulso te trouxer algo à mente ou ao coração, escreva...

Postagens mais visitadas deste blog

Para renascer é preciso morrer!

É exatamente assim, no começo parece que te falta o ar, que algo espreme teu peito sem cessar e derrama o sumo dessa compressão nos teus olhos, compulsivamente.
Os primeiros dias passam e nada colore tua existência, só habita em ti a neblina das lembranças cinzentas, daquilo que ainda te fere...e estão em tudo que tu tentas fazer, repetindo-se como um velho vinil riscado, fazendo ondas gigantes em tua mente...das mentiras que te foram contadas, das verdades omitidas, das peças que se encaixam, da dissimulação ardil, das atitudes tão ínfimas quanto rasteiras e do presente se encontrando com as mesmas dores do passado.
É a desconstrução do que tu acreditavas, ou achava que ainda cria. É o fim da tua luta, que por mais que parecesse perdida, havia dias em que alguns sinais diziam que a guerra valeria a pena. Mas não valeu! Lutar pelo quê agora? E o mundo parece partir ao meio, mas tu não estais nem de um lado e nem do outro. Estais sem segurança, sem direção, neste abismo que se abriu a …

Nem tudo vale a pena...

Vida que segue, histórias que findam... para que outras comecem.
Erros e caminhos que não podem ser refeitos.
Lamentar já não serve, porque o que passou nos escapou e o que fica de concreto são somente as lições, marcadas a ferro e fogo, nada poderá tirá-las de nós... pessoas e situações se vão, mas as aprendizagens ficam... e que bom que é assim!
Todos temos na vida momentos ou fases que desejaríamos não ter vivido, ou não mais lembrar, mas são exatamente estes que ficam se repetindo em nossas mentes a ponto de dizer-nos ao pé do ouvido: logo tu, tão seguro (a), esperto (a) e cheio (a) de si, viveste isto?
É, a racionalidade nem sempre nos é companheira e por vezes abandona até o mais perspicaz dos mortais. Importante mesmo é que ela não se vá para sempre e que o amor próprio continue reinando absoluto sobre todas as paixões terrenas.
Havia dentro de mim uma convicção imensa de que esse meu jeito de viver impulsivamente, respeitando todos os desejos e fazendo sempre o que o coração …

Um rascunho perdido de amor

Em alguns dias esse amor, que já mora em mim faz tempo, chega assim súbito, como brisa no rosto em um dia de calor...e é tão bom sentir. Nessa hora até parece que ele é novo, amor menino, ainda contaminado pela veemência da paixão.





[Um texto iniciado em 07/03/13...resolvi não complementá-lo, pois cada emoção deve manter a essência do seu tempo.]