Pular para o conteúdo principal

Para renascer é preciso morrer!


É exatamente assim, no começo parece que te falta o ar, que algo espreme teu peito sem cessar e derrama o sumo dessa compressão nos teus olhos, compulsivamente.
Os primeiros dias passam e nada colore tua existência, só habita em ti a neblina das lembranças cinzentas, daquilo que ainda te fere...e estão em tudo que tu tentas fazer, repetindo-se como um velho vinil riscado, fazendo ondas gigantes em tua mente...das mentiras que te foram contadas, das verdades omitidas, das peças que se encaixam, da dissimulação ardil, das atitudes tão ínfimas quanto rasteiras e do presente se encontrando com as mesmas dores do passado.
É a desconstrução do que tu acreditavas, ou achava que ainda cria. É o fim da tua luta, que por mais que parecesse perdida, havia dias em que alguns sinais diziam que a guerra valeria a pena. Mas não valeu! Lutar pelo quê agora? E o mundo parece partir ao meio, mas tu não estais nem de um lado e nem do outro. Estais sem segurança, sem direção, neste abismo que se abriu a tua frente. Tudo em ti parece morto, dentro e fora, teus olhos não são mais os mesmos. A parte boa da tua vida transforma-se em mera ficção, e a parte ruim apresenta-se como aquilo que tu tens de mais palpável.
Não há respostas, não há explicação, nada mais há, a não ser um grande vazio. E este luto é vivido minuto a minuto, hora a hora e a cada noite que teu sono dá lugar a conjecturas e convicções amargas. E tu não foges dele, ao contrário, entrega-te completamente. E depois de viver cada momento dessa negra fase, compreendes que ela era necessária e que tu não estais morta. Passou. Tudo passa.

E agora as cores que te cercam são outras, o teu peito não está comprimido, ele está aberto e parece querer voar. Teus sonhos voltaram a ter força, eles te erguem e te fazem vibrar. Teus olhos não mais queixam-se em lágrimas, mas olham para a vida sob a ótica maravilhosa da fé. E o que  ficou pra trás  tornou-se uma folha de papel ao vento, que embora cheia de coisas escritas, continua a ser levada para longe de ti a medida que a brisa encontra teu sorriso e balança teus cabelos. Já é possível sentir as batidas de um coração renovado, quase infantil, que volta a experimentar a deliciosa sensação de ter borboletas voando no estômago e que acaba de encantar-se com o sabor doce de um beijo roubado...

Porque a vida continua e o poder restaurador dos dias é para quem se permite sofrer!
 

Comentários

  1. Tanto tempo perdido a tentar evitar o sofrimento que nunca percebi o quanto ele é necessário...
    bela reflexão, me fizestes pensar...

    bjus da kirah^^

    ResponderExcluir
  2. Nooooooooooooossa amiga, que texto lindo!!!!
    E com certeza, tudo passa... sempre!
    Ótimo recomeço!!!
    Grande beijo

    ResponderExcluir
  3. Passa sim, minha Linda, e na verdade a vida é um eterno recomeço! Beijo, beijooooo!
    Estava com saudades daqui! ;)
    She

    ResponderExcluir
  4. Tudo passa mesmo.
    Seu texto é lindo.
    Vamos (re)parir!

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Belo texto! Partilho de muitos pontos de vista que expressas...

    Beijos,
    AL

    ResponderExcluir
  6. É mesmo isso!
    Para viver tem de se saber morrer, as vezes que forem necessárias para se obter a paz que reinará cá dentro.

    Beijos :)
    Que saudades eu tinha daqui...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Se ao me ler, um impulso te trouxer algo à mente ou ao coração, escreva...

Postagens mais visitadas deste blog

Nem tudo vale a pena...

Vida que segue, histórias que findam... para que outras comecem.
Erros e caminhos que não podem ser refeitos.
Lamentar já não serve, porque o que passou nos escapou e o que fica de concreto são somente as lições, marcadas a ferro e fogo, nada poderá tirá-las de nós... pessoas e situações se vão, mas as aprendizagens ficam... e que bom que é assim!
Todos temos na vida momentos ou fases que desejaríamos não ter vivido, ou não mais lembrar, mas são exatamente estes que ficam se repetindo em nossas mentes a ponto de dizer-nos ao pé do ouvido: logo tu, tão seguro (a), esperto (a) e cheio (a) de si, viveste isto?
É, a racionalidade nem sempre nos é companheira e por vezes abandona até o mais perspicaz dos mortais. Importante mesmo é que ela não se vá para sempre e que o amor próprio continue reinando absoluto sobre todas as paixões terrenas.
Havia dentro de mim uma convicção imensa de que esse meu jeito de viver impulsivamente, respeitando todos os desejos e fazendo sempre o que o coração …

Um rascunho perdido de amor

Em alguns dias esse amor, que já mora em mim faz tempo, chega assim súbito, como brisa no rosto em um dia de calor...e é tão bom sentir. Nessa hora até parece que ele é novo, amor menino, ainda contaminado pela veemência da paixão.





[Um texto iniciado em 07/03/13...resolvi não complementá-lo, pois cada emoção deve manter a essência do seu tempo.]