Pular para o conteúdo principal

Sentada à beira do meu caminho...


Há dias pesados, ou melhor, fases ásperas em que a vida parece mais densa do que realmente é... e estranhamente em alguns desses momentos a minha solidez me abandona em vez de me fazer reforço.
Talvez seja um recado sutil de que também é preciso ver-se e sentir-se frágil.
E embora eu me sinta uma roupa fora do corpo ou um acessório que destoa do conjunto, lá no fundo eu encontro beleza no meu caminhar. É a essência que não partiu, a fé que insiste em ficar...
A minha fome passou e a sede já não me incomoda, mas eu me alimento, bebo de gole em gole as intempéries da minha existência.
Não vou partir de mim e nem destoar do que sempre fui, só quero um tempo para esmorecer e sentar-me pra ver a vida passar...

Tantas vezes fui conto, hoje sou crônica, mas ainda volto a ser poesia...

Comentários

  1. A vida se faz áspera e a gente se liquefaz.
    Sentar um pouco pra ver a vida passar também é bom. A gente observa acertos, analisa os erros e se refaz, renovada e melhor.

    =**

    ResponderExcluir
  2. "Tantas vezes fui conto, hoje sou crônica, mas ainda volto a ser poesia..." >> que lindooooooo! Amei isso! Minha Linda, ri com o seu comentário lá no She Divulga, pois é não consigo ficar quieta... kkkkkk Que bom que vc gostou do meu espaço novo! ;) Beijo, beijooooo
    She

    ResponderExcluir
  3. Tem forma melhor de viver do que ser poesia? Não tem.

    ResponderExcluir
  4. As vezes é necessário uma pausa.
    E que ela venha recheada de sentimentos bons.

    Viu o anonimo?? Muito bom neh?
    Me revigorou!

    Beijos e uma ano novinho em folha
    de esperanças, fé e amor.
    Beijos Kenia

    ResponderExcluir
  5. Olá.Essa é minha primeira visita ao blog.Vi seu link em outro blog e resolvi vir conhecê-lo.Adorei seu blog e já estou lhe seguindo.Seu blog é muito bem organizado e suas postagens muito bem elaboradas.Já estou lhe seguindo pelo twitter também!Te convido a conhecer meu blog e segui-lo também.Aguardo sua visitinha!
    Bjs!
    Zilda Mara
    @ZildaPeixoto
    http://www.cacholaliteraria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Oficio sagrado este de traduzir a verdade e seu avesso que se escondem nas sílabas, a loucura e o saber que habitam as criaturas, o céu e a terra que se conversam em cada horizonte, a vida e a morte que se permeiam em cada um de nós. Abençoado ofício; nobre e inevitável destino. Afinal, existem os sãos, existem os vãos, os loucos e os normais. E existem os poetas. :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Se ao me ler, um impulso te trouxer algo à mente ou ao coração, escreva...

Postagens mais visitadas deste blog

Um rascunho perdido de amor

Em alguns dias esse amor, que já mora em mim faz tempo, chega assim súbito, como brisa no rosto em um dia de calor...e é tão bom sentir. Nessa hora até parece que ele é novo, amor menino, ainda contaminado pela veemência da paixão.





[Um texto iniciado em 07/03/13...resolvi não complementá-lo, pois cada emoção deve manter a essência do seu tempo.]

Oclusão

Não sei como ainda pode existir algo de ti no meu peito, depois dos inúmeros pedaços que já arranquei...embora os tenha removido pouco a pouco, como aquele procedimento bizarro para curar queimaduras extremas (as necroses são retiradas da pele, para que a regeneração ocorra de dentro pra fora).E cada parte que eu tirava à força, era uma tentativa de viver de novo, mesmo me sentindo morta.

Durante todo este tempo, esses pequenos recomeços exigiram de mim muito esforço, porque estavam inclusos em um contexto de uma aparente harmonia. E mesmo com todo meu empenho em virar de vez esta página, você estava ali, mais presente do que eu conseguia admitir até pra mim mesma. Oscilação pura...é que de fato não é tão simples esquecer alguém que te faz interagir com um lado seu, até então, totalmente desconhecido. Provei da fração mais amarga que me constitui, aquela cuja autossuficiência e autocontrole, características que sempre me acompanharam e fizeram de mim a pessoa mais confiante do mundo, f…

Para renascer é preciso morrer!

É exatamente assim, no começo parece que te falta o ar, que algo espreme teu peito sem cessar e derrama o sumo dessa compressão nos teus olhos, compulsivamente.
Os primeiros dias passam e nada colore tua existência, só habita em ti a neblina das lembranças cinzentas, daquilo que ainda te fere...e estão em tudo que tu tentas fazer, repetindo-se como um velho vinil riscado, fazendo ondas gigantes em tua mente...das mentiras que te foram contadas, das verdades omitidas, das peças que se encaixam, da dissimulação ardil, das atitudes tão ínfimas quanto rasteiras e do presente se encontrando com as mesmas dores do passado.
É a desconstrução do que tu acreditavas, ou achava que ainda cria. É o fim da tua luta, que por mais que parecesse perdida, havia dias em que alguns sinais diziam que a guerra valeria a pena. Mas não valeu! Lutar pelo quê agora? E o mundo parece partir ao meio, mas tu não estais nem de um lado e nem do outro. Estais sem segurança, sem direção, neste abismo que se abriu a …