Pular para o conteúdo principal

A (pior) analogia do meu interior


É como se os móveis estivessem fora do lugar e os espaços vazios não representassem liberdade para transitar. E como se as gavetas estivessem tão bagunçadas que não fosse possível ser encontrado quase nada  que se desejasse...os objetos da sala estão espalhados na cozinha, e dos quartos, no banheiro. Tem quadros de cabeça para baixo e os tapetes podem ser vistos no teto, não no chão. Há copos quebrados e pouca comida, até a água já é escassa. A televisão não transmite imagens claras e é muito complicado tentar mudar de canal, por isso sou obrigada a ver e rever o que não me agrada...embora ainda restem alguns dvd's com histórias que eu gostaria de viver...e de contar. Só as músicas da minha vida continuam inabaladas, posso ouvi-las sempre que quero e preciso...e não seria possível sobreviver sem isso.
Há sombras onde preciso de sol e sol onde preciso de sombra. O calor se torna insuportável quando gostaria de me refrescar, e o frio me entorpece quando o que mais necessito é ser aquecida. O telhado nunca foi tão frágil e a energia é oscilante. Não ouço vizinhos e eles também não conseguem me ouvir, quase nunca os vejo...e, na maioria das vezes, nem quero.
Há roupas para lavar, coisas para limpar...mas me falta vontade (e coragem) para fazê-lo. Tantas coisas foram saindo do lugar que já não consigo ver a linda decoração que com o tempo eu construí...

(É exatamente assim que vejo a minha alma em alguns dias, que, assim como uma casa, basta pouco tempo sem cuidados para que todo interior fique em desordem. Só não é igualmente fácil reorganizar a mente e o coração...)

Comentários

  1. Nossa amiga, sei bem sobre essa "bagunça" que de vez em quando nos faz ficar "zonzas"... tanto em casa quanto na alma!!! Aff!!!
    Arrume com calma, sempre... e embora as vezes pareça que não temos mais organizar as coisas, acredite, tem sim... sempre tem!!! Claro que as vezes uma coisinha ou outra precisa de um "retoque", uma "cola"... mas vc consegue!!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. É mesmo verdade quando deixamos de cuidar da casa, desarruma-se num instante, e depois encontrar o sitio novamente é um problema, uma trabalheira danada...
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Quando nos sentimos assim, é sinal que precisamos de mudar o nosso interior. Para isso é preciso coragem, pois nem toda mudança é pacífica.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Com tanta correria as coisas vão bagunçando cada vez mais e chega uma hora que para arrumar tudo é quase impossível.

    ResponderExcluir
  5. Mas, bah, precisas de uma faxineira, um arquiteto, um decorador, um eletricista, etc. Dificilmente irás encontrar todos esses requisitos em uma só pessoa... A não ser em ti mesma!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Querida amiga, como numa casa por arrumar, tens de organizar o teu interior.
    Primeiro tens de escolher o que não queres, o que não precisas e jogar no lixo.
    Depois existem aquelas outras, que já não usamos, que também já não as queremos, mas que não nos conseguimos desfazer delas. Essas tens de as guardar todas juntas num baú, fechado á chave e levar lá para baixo para a arrecadação.
    De seguida tens de olhar para o que tens e amas, e coloca-los nos respectivos sítios, bem arrumadinhos e a brilhar.
    Finalmente e com a “casa” quase composta, começas com calma a procurar novas peças, novas mobílias para decorar a casa, para lhe dar novamente cor e alguma comodidade.
    Vais ver que no fim, tens a “casa” perfeita para ti.
    A tua casa!

    Beijo grande de saudades!

    ResponderExcluir
  7. NUMA FOLHA QUALQUER EU DESENHO UM SOL AMARELO...

    Talvez você não saiba, mas esta foi a canção que eu cantei no dia em que você se assustou com um trovão e assim, chorava sem parar... Você nasceu em época de chuva mesmo e sempre trovejava, tão pequenina e linda encontrava em meus braços um lugar seguro e confortável.
    Foram momentos incríveis, é uma pena você não poder reviver e também lembra-los juntos comigo. Queria que a minha face estivesse em sua mente, mas sei que o tempo ocupou de trocá-la por outras mais recentes. O que me deixa feliz é saber que mesmo depois de tanto tempo você consegue me sentir, minha princesinha.
    A minha essência está contigo, você é um pedacinho meu e estaremos unidos para sempre.
    Deus sempre nos dá condições de escolher, trabalhar, amar e principalmente perdoar, basta a cada um de nós percebermos e conduzir a alma da melhor forma. Nunca se esqueça disso, pois as coisas simples são as que nos deixam bem.

    Juízo Guria

    ResponderExcluir
  8. teu nome é poesia...

    (isso me veio à mente)

    abraço

    ResponderExcluir
  9. Adorei teu blog! Intensidade não lhe falta... Gostei das tatoos tbm. rs! Seguindo-te!!

    ResponderExcluir
  10. Olá minha querida, peço desculpas pelo sumisso. Sobre o texto, realmente, nosso interior, nosso mundinho se desarruma com uma facilidade imensa, no entanto, para rearruma-lo, haja dias. Estou bem nesta fazer, rearruma-lo. Abraços.

    ResponderExcluir
  11. Pois é, na hora da arrumar sempre é mais difícil e trabalhoso, as vezes ainda tem uns cantos que continuam bagunçados, apesar de todo esforço.
    Muito bom....

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Se ao me ler, um impulso te trouxer algo à mente ou ao coração, escreva...

Postagens mais visitadas deste blog

Um rascunho perdido de amor

Em alguns dias esse amor, que já mora em mim faz tempo, chega assim súbito, como brisa no rosto em um dia de calor...e é tão bom sentir. Nessa hora até parece que ele é novo, amor menino, ainda contaminado pela veemência da paixão.





[Um texto iniciado em 07/03/13...resolvi não complementá-lo, pois cada emoção deve manter a essência do seu tempo.]

Oclusão

Não sei como ainda pode existir algo de ti no meu peito, depois dos inúmeros pedaços que já arranquei...embora os tenha removido pouco a pouco, como aquele procedimento bizarro para curar queimaduras extremas (as necroses são retiradas da pele, para que a regeneração ocorra de dentro pra fora).E cada parte que eu tirava à força, era uma tentativa de viver de novo, mesmo me sentindo morta.

Durante todo este tempo, esses pequenos recomeços exigiram de mim muito esforço, porque estavam inclusos em um contexto de uma aparente harmonia. E mesmo com todo meu empenho em virar de vez esta página, você estava ali, mais presente do que eu conseguia admitir até pra mim mesma. Oscilação pura...é que de fato não é tão simples esquecer alguém que te faz interagir com um lado seu, até então, totalmente desconhecido. Provei da fração mais amarga que me constitui, aquela cuja autossuficiência e autocontrole, características que sempre me acompanharam e fizeram de mim a pessoa mais confiante do mundo, f…

Para renascer é preciso morrer!

É exatamente assim, no começo parece que te falta o ar, que algo espreme teu peito sem cessar e derrama o sumo dessa compressão nos teus olhos, compulsivamente.
Os primeiros dias passam e nada colore tua existência, só habita em ti a neblina das lembranças cinzentas, daquilo que ainda te fere...e estão em tudo que tu tentas fazer, repetindo-se como um velho vinil riscado, fazendo ondas gigantes em tua mente...das mentiras que te foram contadas, das verdades omitidas, das peças que se encaixam, da dissimulação ardil, das atitudes tão ínfimas quanto rasteiras e do presente se encontrando com as mesmas dores do passado.
É a desconstrução do que tu acreditavas, ou achava que ainda cria. É o fim da tua luta, que por mais que parecesse perdida, havia dias em que alguns sinais diziam que a guerra valeria a pena. Mas não valeu! Lutar pelo quê agora? E o mundo parece partir ao meio, mas tu não estais nem de um lado e nem do outro. Estais sem segurança, sem direção, neste abismo que se abriu a …