Pular para o conteúdo principal

Insolúvel

Chegando ao fim daquela jornada deparei-me com a sempre hesitante bifurcação e tamanho foi o meu desencanto ao saber que a estrada já não era mais reta, de mão única, eu tinha mesmo que escolher por onde ir...sentei, pensei, deixei de pensar, fingi que não era comigo, me rebelei, mas daquilo não podia escapar. Estava à minha frente!


E até ali havia sido uma caminhada tranquila, exceto pelas últimas passadas, mas na maior parte do percurso foi sim, prazerosa, instigante, enriquecedora, de calmaria e tensão, e havia o que é mais essencial, a convicção de onde se quer chegar. Então por quê havia chegado àquele ponto? Era mesmo necessário descobrir? Ou bastava saber que o caminho havia findado e eu deveria prosseguir em outra direção? A única certeza em tudo isso é que a coisa mais difícil de dissolver na mente e no coração é a admissão de erros cometidos, sejam que erros forem, os sutis, os conscientes, os omissos, os abnegados, os estúpidos, os imperdoáveis (por si mesmo), os planejados, os inconscientes.


Ao tentar percorrer cada um destes caminhos, senti que a saciedade por horas ou dias emana deleite, mas acalenta dúvidas e bloqueios, vazios e frustrações, e, mesmo assim, me permiti ser itinerante dentro de mim mesma e das minhas possibilidades. Bem, permito-me. E tinha que ser assim, a estrada segura havia acabado.


Se sigo ou refaço caminhos, hoje não consigo definir, mas caminho, não diria sem rumo, diria fora dos trilhos. Continuo seguindo, devagar, sem a mesma celeridade de sempre, pois no fundo ainda não sei por onde ir...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um rascunho perdido de amor

Em alguns dias esse amor, que já mora em mim faz tempo, chega assim súbito, como brisa no rosto em um dia de calor...e é tão bom sentir. Nessa hora até parece que ele é novo, amor menino, ainda contaminado pela veemência da paixão.





[Um texto iniciado em 07/03/13...resolvi não complementá-lo, pois cada emoção deve manter a essência do seu tempo.]

Para renascer é preciso morrer!

É exatamente assim, no começo parece que te falta o ar, que algo espreme teu peito sem cessar e derrama o sumo dessa compressão nos teus olhos, compulsivamente.
Os primeiros dias passam e nada colore tua existência, só habita em ti a neblina das lembranças cinzentas, daquilo que ainda te fere...e estão em tudo que tu tentas fazer, repetindo-se como um velho vinil riscado, fazendo ondas gigantes em tua mente...das mentiras que te foram contadas, das verdades omitidas, das peças que se encaixam, da dissimulação ardil, das atitudes tão ínfimas quanto rasteiras e do presente se encontrando com as mesmas dores do passado.
É a desconstrução do que tu acreditavas, ou achava que ainda cria. É o fim da tua luta, que por mais que parecesse perdida, havia dias em que alguns sinais diziam que a guerra valeria a pena. Mas não valeu! Lutar pelo quê agora? E o mundo parece partir ao meio, mas tu não estais nem de um lado e nem do outro. Estais sem segurança, sem direção, neste abismo que se abriu a …

Oclusão

Não sei como ainda pode existir algo de ti no meu peito, depois dos inúmeros pedaços que já arranquei...embora os tenha removido pouco a pouco, como aquele procedimento bizarro para curar queimaduras extremas (as necroses são retiradas da pele, para que a regeneração ocorra de dentro pra fora).E cada parte que eu tirava à força, era uma tentativa de viver de novo, mesmo me sentindo morta.

Durante todo este tempo, esses pequenos recomeços exigiram de mim muito esforço, porque estavam inclusos em um contexto de uma aparente harmonia. E mesmo com todo meu empenho em virar de vez esta página, você estava ali, mais presente do que eu conseguia admitir até pra mim mesma. Oscilação pura...é que de fato não é tão simples esquecer alguém que te faz interagir com um lado seu, até então, totalmente desconhecido. Provei da fração mais amarga que me constitui, aquela cuja autossuficiência e autocontrole, características que sempre me acompanharam e fizeram de mim a pessoa mais confiante do mundo, f…