Pular para o conteúdo principal

Intervalos

Das minhas fases eu cuido bem, garanto! Todas tem de mim seu verdadeiro reconhecimento, mesmo aquelas em que estou recolhida, ferida ou simplesmente sem graça. Eu zelo até mesmo meus momentos de crise porque nada vem retirar o meu sorriso sem razão, porque nenhuma lágrima pode ser derramada sem deixar na face os caminhos percorridos. Há de fazer sentido, há de promover mudança, evolução! Porque é isso que entendo por intensidade, é por isso que assim me defino, por viver cada fase, boa ou ruim, mergulhada em suas causas, nos seus limites,  seus arredores e suas tocas, mas sem fugir das suas consequências. 

Hoje olhei pra trás e lembrei de uma fase confusa, que na época cheguei a pensar ser boa.  Percebi que ela foi  um marco na minha forma de ver o mundo...de olhar para mim...e pude rir de mim mesma, mas só agora, até então esta situação não me permitia isso...quando eu ia refletir a respeito, algo me bloqueava. Algo nada, eu sei bem o que: a soberba inútil de achar-se inteligentemente "safa" e a  incapacidade de admitir  a esta altura da vida uma insensatez daquele tamanho. E a melhor parte de conseguir rir de tão inacreditáveis enganos é aprender com alegria a não repeti-los, é ficar mais leve e arrancar da bagagem o peso da culpa.
Dito isso, preciso dizer que nunca é o arrependimento que me consome, pois tenho certeza que se pudesse voltar para antes de cada erro, novamente os cometeria...(isso é se conhecer).  

As más fases me alimentam, me fortalecem. As boas fazem de mim a menina que ainda sou: a menina que ainda acredita, que paga pra ver e que mesmo tendo a certeza de que ainda vai errar muito, segue com a mesma intensidade...

(E hoje meus doces pensamentos de quem está em  nova sintonia,  me levarão aos braços teus, mesmo que seja nos meus sonhos...)

Comentários

  1. Como tens estado reflexiva guria! Filosófica e introspectiva! O bom disso tudo é que podemos desfrutar da tua inteligência, ver o quão bela és por dentro! Já que por fora estás aprovada e com méritos!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. O lúdico!
    Uma forma de viver e sonhar, bem.
    Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  3. amiga que belo texto,sem dúvida,precisamos olhar para trás,porque o passado faz parte do que somos hoje!
    Linda refelxão,me encontrei nas tuas palavras...
    BEIJO GRANDE,amiga!!!
    Gosto da tua inspiração.
    Da Cris.

    ResponderExcluir
  4. Eu acho que a gente vai passando pela vida e deixando 'eus' pelo caminho. Ops, deixe-me retificar a afirmação: não sou eu que acho, mas grandes filósofos e poetas já disseram isto. Eu não sou, hoje, o que era ontem. Sou o eu de ontem mais alguma coisa e menos alguma coisa. Amanhã não serei o que sou hoje, depois de amanhã já não serei o que vou ser amanhã, e assim sucessivamente.
    Acho que aos poucos vou tornando o que o mundo fez de mim em algo novo. Faço do que o mundo fez de mim a argila para talhar uma imagem que quero esculpir. Se é boa, se é ruim, sei lá. O importante é seguir em frente.
    Já amando o seu blog,
    um abração de duas asaas

    ResponderExcluir
  5. O que não nos marta, nos fortalece...

    Fique com Deus, menina Kênia Araújo.
    Um abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Se ao me ler, um impulso te trouxer algo à mente ou ao coração, escreva...

Postagens mais visitadas deste blog

Um rascunho perdido de amor

Em alguns dias esse amor, que já mora em mim faz tempo, chega assim súbito, como brisa no rosto em um dia de calor...e é tão bom sentir. Nessa hora até parece que ele é novo, amor menino, ainda contaminado pela veemência da paixão.





[Um texto iniciado em 07/03/13...resolvi não complementá-lo, pois cada emoção deve manter a essência do seu tempo.]

Para renascer é preciso morrer!

É exatamente assim, no começo parece que te falta o ar, que algo espreme teu peito sem cessar e derrama o sumo dessa compressão nos teus olhos, compulsivamente.
Os primeiros dias passam e nada colore tua existência, só habita em ti a neblina das lembranças cinzentas, daquilo que ainda te fere...e estão em tudo que tu tentas fazer, repetindo-se como um velho vinil riscado, fazendo ondas gigantes em tua mente...das mentiras que te foram contadas, das verdades omitidas, das peças que se encaixam, da dissimulação ardil, das atitudes tão ínfimas quanto rasteiras e do presente se encontrando com as mesmas dores do passado.
É a desconstrução do que tu acreditavas, ou achava que ainda cria. É o fim da tua luta, que por mais que parecesse perdida, havia dias em que alguns sinais diziam que a guerra valeria a pena. Mas não valeu! Lutar pelo quê agora? E o mundo parece partir ao meio, mas tu não estais nem de um lado e nem do outro. Estais sem segurança, sem direção, neste abismo que se abriu a …

Oclusão

Não sei como ainda pode existir algo de ti no meu peito, depois dos inúmeros pedaços que já arranquei...embora os tenha removido pouco a pouco, como aquele procedimento bizarro para curar queimaduras extremas (as necroses são retiradas da pele, para que a regeneração ocorra de dentro pra fora).E cada parte que eu tirava à força, era uma tentativa de viver de novo, mesmo me sentindo morta.

Durante todo este tempo, esses pequenos recomeços exigiram de mim muito esforço, porque estavam inclusos em um contexto de uma aparente harmonia. E mesmo com todo meu empenho em virar de vez esta página, você estava ali, mais presente do que eu conseguia admitir até pra mim mesma. Oscilação pura...é que de fato não é tão simples esquecer alguém que te faz interagir com um lado seu, até então, totalmente desconhecido. Provei da fração mais amarga que me constitui, aquela cuja autossuficiência e autocontrole, características que sempre me acompanharam e fizeram de mim a pessoa mais confiante do mundo, f…