Pular para o conteúdo principal

Sobre amores e dissabores

"João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém."
(Trecho do poema Quadrilha, de Carlos Drummond de Andrade)


Nunca vi algo tão atemporal. Não há civilização, nem época, nem cultura que não conviva com a dinâmica dos amores não correspondidos ou dos que o deixam de ser. Os amores e as paixões, seja expostos na expressão de rostos e falas ou escondidos em corações resignados, pulsam e fazem o mundo girar, movem as pessoas, constroem grandes histórias, ou mesmo tragédias, mudam vidas, geram pessoas (por nascimento ou renascimento). Mesmo se quisermos ignorar qualquer visão romântica da vida, vemos estes sentimentos também como bases fundamentais da sociedade, sem os quais nenhuma delas poderia ser construída.


E ninguém há de esquecer dos amores que não encontram leito ou deleite, ou daqueles que encontram e perdem sua morada. Estes parecem ser os mais comuns. Vidas inteiras são construídas em cima de amores unilaterais, desconstruídas também. E o mais interessante e complexo de constatar nesta minha viagem pelo mundo das relações a dois (ou a três, a quatro), é a nossa TOTAL impotência diante do que se sente e do que se desperta nos outros, não ter este controle (e a humanidade nunca o terá) faz tudo tornar-se mais desafiador, intrigante e paradoxalmente com muito mais sentido. Não quero nem pensar em viver tendo o poder de controlar minhas emoções...



"Não posso reclamar da vida, nunca me faltou amor, e com isso cultivei o maior de todos eles: o meu amor próprio." (Kenia Araújo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um rascunho perdido de amor

Em alguns dias esse amor, que já mora em mim faz tempo, chega assim súbito, como brisa no rosto em um dia de calor...e é tão bom sentir. Nessa hora até parece que ele é novo, amor menino, ainda contaminado pela veemência da paixão.





[Um texto iniciado em 07/03/13...resolvi não complementá-lo, pois cada emoção deve manter a essência do seu tempo.]

Para renascer é preciso morrer!

É exatamente assim, no começo parece que te falta o ar, que algo espreme teu peito sem cessar e derrama o sumo dessa compressão nos teus olhos, compulsivamente.
Os primeiros dias passam e nada colore tua existência, só habita em ti a neblina das lembranças cinzentas, daquilo que ainda te fere...e estão em tudo que tu tentas fazer, repetindo-se como um velho vinil riscado, fazendo ondas gigantes em tua mente...das mentiras que te foram contadas, das verdades omitidas, das peças que se encaixam, da dissimulação ardil, das atitudes tão ínfimas quanto rasteiras e do presente se encontrando com as mesmas dores do passado.
É a desconstrução do que tu acreditavas, ou achava que ainda cria. É o fim da tua luta, que por mais que parecesse perdida, havia dias em que alguns sinais diziam que a guerra valeria a pena. Mas não valeu! Lutar pelo quê agora? E o mundo parece partir ao meio, mas tu não estais nem de um lado e nem do outro. Estais sem segurança, sem direção, neste abismo que se abriu a …

Oclusão

Não sei como ainda pode existir algo de ti no meu peito, depois dos inúmeros pedaços que já arranquei...embora os tenha removido pouco a pouco, como aquele procedimento bizarro para curar queimaduras extremas (as necroses são retiradas da pele, para que a regeneração ocorra de dentro pra fora).E cada parte que eu tirava à força, era uma tentativa de viver de novo, mesmo me sentindo morta.

Durante todo este tempo, esses pequenos recomeços exigiram de mim muito esforço, porque estavam inclusos em um contexto de uma aparente harmonia. E mesmo com todo meu empenho em virar de vez esta página, você estava ali, mais presente do que eu conseguia admitir até pra mim mesma. Oscilação pura...é que de fato não é tão simples esquecer alguém que te faz interagir com um lado seu, até então, totalmente desconhecido. Provei da fração mais amarga que me constitui, aquela cuja autossuficiência e autocontrole, características que sempre me acompanharam e fizeram de mim a pessoa mais confiante do mundo, f…